Cheikh Sarr, goleiro do Rayo Magadahonda: “Se eu receber um pênalti, vou me surpreender. Será injusto” | Futebol | Esportes

O xeque Sarr ficou diante dos microfones três dias depois de se tornar o foco da atenção de todos por sua reação aos insultos racistas vindos das arquibancadas na última partida de seu time, Rayo Majadahonda, contra o Sestao. O senegalês pediu desculpas a todo o mundo do futebol pela sua resposta: agarrou o torcedor que o agredia verbalmente da arquibancada ao lado do lenço. Mas também considerou injusta a sua posterior expulsão do jogo: “Se eu recebesse um pênalti, me surpreenderia, porque seria injusto. “Ninguém pode ser vítima e depois puni-lo”, disse o goleiro de 23 anos na terça-feira.

Apesar de expressar remorso pelos seus atos, Sarr admitiu que “realmente o incomoda” pedir perdão quando é vítima da situação, mas parece ser a coisa certa a fazer. “Eu não estou fazendo isso por esse cara. [el aficionado que le insultó]“Mas por causa da imagem do futebol”, disse o homem que teve de suportar ser chamado de “negro de merda” ou “negro de merda”, como ele mesmo disse. “A minha reacção foi que queria falar sobre isso e agarrei-o para perguntar porque é que me insultava e se tinha família. Além disso, era uma pessoa idosa e devia ser um modelo”, disse o guarda-redes, que sublinhou que sua intenção nunca foi agredir o torcedor.

Sarr agradeceu também as manifestações de apoio que recebeu, às quais se juntaram todos, desde os seus companheiros até aos jogadores da equipa adversária. Vinicius Junior, jogador do Real Madrid que se tornou no rosto mais visível na luta contra o racismo em Espanha, também mostrou a sua simpatia pelo guarda-redes do Magadahonda, algo que o próprio senegalês apreciou e elogiou quando teve oportunidade.

Segundo fontes do Rayo Magadahonda, Sarr conta com total apoio da organização até que a pena imposta seja anulada. O árbitro da partida escreveu na ata que o goleiro o abordou de forma “violenta”. Nesse sentido, Sarr afirma que só se aproximou para conversar. “Meu comportamento com o árbitro não foi um ato de agressão. Fui falar e expressar e de repente vi o cartão vermelho. “Aí falei com ele e depois da partida ele me apoiou e estou grato”, disse. ” não para” de ajudá-lo.

Você pode acompanhar o EL PAÍS Deportes em Facebook E éou cadastre-se aqui para receber Nosso boletim informativo semanal.