Desmantelaram o suposto laboratório secreto de drogas em Ecatepec



Agentes da Procuradoria-Geral do Estado do México (FGJEM) desmantelaram um laboratório secreto dedicado à fabricação de drogas sintéticas, através de uma busca realizada em um imóvel localizado na rua Zanates, bairro Izcali Jardins, próximo a uma instituição educacional.

Antes do confisco do imóvel, quatro pessoas foram presas nas proximidades daquela casa em posse de embalagens contendo drogas e doces que supostamente continham maconha.

Este mandado de busca foi solicitado à autoridade judiciária, com base em investigação instaurada pelo Ministério Público do Idomex, depois de elementos da Polícia de Investigação (PDI) terem detido quatro pessoas identificadas como Edgar Alejandro “N”, Roberto “N”, e Monserrat” N”. e Fernando “N” nas proximidades de uma casa no referido bairro, enquanto vendiam entorpecentes. Esses indivíduos possuíam embalagens de drogas, vaporizadores e balas tipo chiclete que supostamente continham maconha.

Por outro lado, como resultado da técnica de busca e investigação neste endereço, membros do Ministério Público Estadual apreenderam vasos hidropônicos contendo plantas verdes características da maconha, um saco com erva seca da mesma droga, uma balança e dois compressores com mangueiras. Chaves, um vaporizador com vários recipientes, um regulador e um gerador de ar composto por três partes, uma parte central de plástico e duas ventoinhas metálicas com carregadores acoplados nas bordas.

Os detetives também apreenderam uma garrafa de alto vácuo e dois recipientes plásticos, cada um com capacidade para 20 litros, contendo líquido e com a inscrição “álcool etílico anidro”, além de um recipiente, potes e embalagens com diversos tipos de papéis falsificados de diversas marcas e marcas. Cores, 15 peças conhecidas como cigarros eletrônicos de diversas marcas e sabores, sendo que uma delas contém uma substância pegajosa.

A propriedade foi protegida para continuar as investigações e selos foram colocados nas portas de entrada.

Quanto aos detidos, foram apresentados ao Ministério Público, que é responsável pela investigação e determina a sua situação jurídica, mas devem ser considerados inocentes até que seja emitida uma condenação contra eles.

comentários

comentários