Forte administração da justiça gera segurança jurídica na Edomex: Responsabilidade Social Corporativa



O Presidente sublinhou que uma administração da justiça sólida e séria, com funcionários públicos que tenham legitimidade para exercer as suas funções e que emitam decisões que respeitem os direitos fundamentais, incentivem o investimento e a presença de empresas no nosso país, o que mostra que a Edomex vive em segurança jurídica. Autoridade Judiciária do Estado do México, Ricardo Sodi Cuellar.

Sudé Cuellar destacou que o planejamento nos tribunais deve ser feito a médio prazo com um caminho direcional (Foto: Exclusivo).

Ao abrir a Conferência Internacional sobre Educação Judiciária 2023, Sudé Cuellar destacou que a modernização jurisprudencial, que se concentra na proteção dos direitos humanos, deveria ser um foco ocasional na formação de pessoal judicial.

Na primeira Magna «Megido. O Ministro Presidente, Sr. Gustavo A., enfatizou: Barrera Graf, da Escola Judiciária da EJEM, destacou a importância do planejamento nos tribunais, que deve ser feito a médio prazo e ao mesmo tempo definir um caminho para saber para onde vão; Por isso, destacou que a PJEdomex trabalhou em um plano estratégico de 25 anos.

E acrescentou: “Se não soubermos para onde queremos chegar, não conseguiremos alinhar os principais objetivos do poder judiciário, e especificamente, a formação do principal capital que o nosso tribunal possui, que é o capital humano”.

Na exposição de motivos, Jaime López Reyes, Diretor Geral da EJEM, destacou que esta conferência nos permitirá conhecer as realidades, o patrimônio e as inovações da Itália, França, Espanha, Inglaterra, Argentina, Peru e México no que diz respeito à educação judicial, aprender a conhecer, fazer e conviver.

E acrescentou: “O desenvolvimento e expansão das nações se deve ao seu modelo educacional e às estratégias para a função judicial, que exige um profissionalismo de alta qualidade no auge de um mundo moderno e dinâmico”.

Neste dia o primeiro tema foi “Competências, habilidades e desafios da educação judiciária” escrito por Gianluca Grasso, membro do Comitê Diretor da Escola Superior do Poder Judiciário da República Italiana, que recomendou remotamente às instituições de ensino a oferta interativa e prática tribunais e aprendizagem que podem ser acessados ​​através de tecnologias modernas, como treinamento pessoal. Além disso, garantir que os formadores sejam formados em metodologias de e-learning.

No âmbito da conferência realizada de 15 a 17 de novembro, o Diretor Académico da Universidade Regional de Profissões de Mende, Nikola Malinowski, participou na conferência “Metodologia de Redesenho Curricular Integrativo no Ensino Judiciário”, na qual apresentou uma visão radical do currículo judicial, ou seja, um sistema regulatório que não existe. Existe uma hierarquia fixa de tópicos.

Além disso, propôs passar de um modelo curricular linear para um esquema de busca de pontes integradoras para conectar disciplinas, cujas vantagens incluem o desenvolvimento de habilidades de inteligência estratégica.

Emilio Gonzalez de Castilla del Valle, Reitor da Faculdade de Direito Liberal; Jesús Jorge Zamora, Assessor Jurídico do Estado do México; Azucena Cisneros Cos, Presidente do Conselho de Administração da 61ª Legislatura Mexicana; Martha Patrícia Tovar Pescador, Presidente do Tribunal Eleitoral do Estado, participou da solenidade de abertura.

Além dos assessores da autoridade judicial Astrid Aviles Vileña, Edna Escalante Ramirez, Aaron Romero Ortega e Pablo Espinoza Márquez; Mario Reynaldo Velasquez, Juiz Associado do Superior Tribunal de Justiça de Tucumán, Argentina; e Raúl Carrillo del Moro, Secretário Geral da Rede de Escolas Judiciais dos Estados da República Mexicana.

comentários

comentários