IEEM promove espaços de reflexão sobre a inclusão de pessoas com deficiência



A participação política das pessoas com deficiência é um direito fundamental que deve ser garantido, como destacou a ativista Brenda Lara Hernandez na sessão Democracia inclusiva: participação de pessoas com deficiênciaque se destina a funcionários, funcionários eleitorais, representantes de partidos políticos e cidadãos interessados ​​e foi implementado no âmbito de um ciclo de conferências sobre a participação política de grupos em situações vulneráveis.

O objetivo desta sessão, dirigida a funcionários eleitorais, representantes partidários e cidadãos preocupados, foi ouvir diretamente as necessidades deste grupo demográfico (Foto: Exclusivo).

Na biblioteca do Centro de Formação e Documentação Eleitoral (CFDE), Lara Hernandez, ativista pelos direitos das pessoas com deficiência no estado do México, explicou a necessidade de este grupo de mexicanos estar representado nos espaços de tomada de decisão. Da mesma forma, falou a favor da promoção de espaços que permitam a troca de experiências para que as suas vozes sejam ouvidas, como o painel realizado no IEEM.

Destacou a iniciativa do Instituto de realizar consultas prévias, gratuitas e informadas aos povos e comunidades indígenas, pessoas com deficiência, populações lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros e pessoas de ascendência afro-mexicana, por meio da qual foram coletadas informações de cada grupo sobre representação política e seus perfis de personalidade. -atribuição. , com o objetivo de conhecer diretamente sua opinião e construir uma proposta de medidas positivas para o processo eleitoral de 2024 no Estado do México.

Além disso, enfatizou que durante as eleições para governador de 2023, o IEEM implementou o voto antecipado, bem como a distribuição de blocos Braille nas urnas, e ressaltou que essas medidas devem ser fortalecidas, pois são o caminho para alcançar a democracia inclusiva.

A activista Lara Hernandez também instou os partidos políticos a incluírem pessoas com deficiência nos seus pedidos, e também instou as autoridades relevantes a continuarem a desenvolver políticas que garantam esta representação.

Durante a sua intervenção, a chefe da Unidade de Coordenação para a Acção sobre a Igualdade de Género e a Eliminação da Violência Política de Género (UCTIGEVP) do Instituto, Susana Munguia Fernández, referiu que estas conversas foram promovidas pela Comissão para a Igualdade de Género e Anti-Discriminação. O IEEM tem como objetivo ouvir as reivindicações das pessoas com deficiência, porque representa o caminho para as autoridades promoverem e garantirem os seus direitos políticos e eleitorais.

comentários

comentários