Mexicanos visitam o enorme desfile do Dia dos Mortos no Palácio do Governo



Às nove horas da manhã desta terça-feira, o Palácio do Governo do Estado abriu as portas a quem quisesse ver as oferendas do Dia dos Mortos que este espaço alberga na sua praça central, registando uma afluência de mais de duas mil pessoas. Pessoas neste dia.

No primeiro dia recebeu mais de dois mil visitantes. Entrada livre

A este respeito, Edith García Carta, moradora do município de Toluca, que visitou este altar dos mortos, destacou os esforços realizados pelo governo da professora Delfina Gómez Álvarez ao abrir as portas da sede do Executivo estadual com esta oferta que salva as tradições que ela disse ter se surpreendido.

“Fiquei surpreendido desde o momento em que entrei, pelo acolhimento que nos deram. Sentimo-nos bem acolhidos, bem, bem, assim, porque me receberam muito bem. foram abertos e ele disse: ‘E quando foi feita essa oferenda, eu gravei e tirei fotos para colocar na minha casa e fazer parecido, porque é muito lindo.’

Vale destacar que a mostra comemorativa foi inaugurada no dia 30 de outubro pela professora Delfina Gomez Alvarez, Governadora do Estado do México, que convidou os mexicanos a visitarem este encontro, que contou com a participação de mais de 100 pessoas, incluindo artesãos de todo o mundo. mundo. Cantos da entidade, que contribuiu com peças de barro, papelão, cerâmica, papel recortado, etc.

Por sua vez, Fidel Gomez López, do município de Naucalpan, destacou que quando está diante deste enorme altar sente a energia da tradição e dos antepassados, e como eles se manifestam, mantendo vivas as tradições indígenas. E o Dia dos Mortos.

“Traz à tona a energia das nossas raízes, o que temos dentro dos nossos antepassados, e como eles reverenciavam seus seres que passaram para o outro mundo. Vou trazer minhas netas para que não percamos a tradição e ela continue viva, ” ele observou. “No México”, observou ele.

Para construir esta exposição de aproximadamente 357 metros quadrados, os autores principais Carlos Fuentes e Ciro Cruz Roque precisaram de 150 buquês e 250 potes de malmequeres; 830 metros de papel picado e 128 quilos de sementes e grãos como milho, feijão, feijão, etc.; Além de 60 quilos de outras frutas e alimentos da estação, como batata doce, chuchu, abóbora, figo da Índia e pimenta malagueta seca; Bem como 50 folhados ou pão morto.

Repetiu-se o convite para visitar a enorme mostra que ficará aberta a todo o público, no pátio central do Palácio do Governo de Toluca, até 7 de novembro, das 9h00 às 18h00.

comentários

comentários