O Colégio Militar e o Poder Judiciário mexicano comemoram 200 anos



O Poder Judiciário do Estado do México fez uma doação ao Heroico Colégio Militar para comemorar o 200º aniversário de ambas as instituições. O presidente do tribunal, Ricardo Sodi Cuellar, apresentou exemplares do “Estudo Preliminar e Coleção de Decretos de Carlos III” ao diretor daquela ilustre instituição, que entregou a escultura e agradecimento ao presidente da PJEdomex.

A PJEdomex doou dez exemplares de cadetes que trazem um panorama histórico da justiça militar (Foto: Exclusivo).

Numa cerimónia solene, o chefe do poder judicial mexicano expressou que esta obra permite reflectir sobre a história em torno da justiça militar e vislumbrar como uma série de mudanças, a começar pelas reformas Bourbon, tornaram possível o acesso à Nova Espanha – liderada pelo Tenente General Juan de Villalba – para o 1º Corpo Militar, que se tornaria o Exército Mexicano de Trigarante.

“Este é um momento oportuno para lhe dar um presente, o presente dos decretos, porque você está nos dando o presente de servir ao México, obrigado”, disse Sodi Cuellar no campo de manobra do acampamento militar Héroes de Chapultepec, em Tlalpan. .

Após a leitura do Quadro de Honra dos Heróis, salva de tiros e toque de silêncio pelos universitários, Sudé Cuellar expressou que apesar de ser vice-rei e lei da Nova Espanha, os decretos de 1768 ainda estavam em vigor, porque eram necessários. Para conhecê-los, estudá-los e conhecer sua influência em toda a América Latina.

Esses decretos serviram de base para os ex-presidentes Antonio López de Santa Anna e Francisco Madero, e permanecem em vigor até hoje na legislação mexicana, em virtude da composição constitucional do judiciário militar.

O Presidente do Tribunal informou que os decretos encontravam-se na biblioteca da Secretaria de Defesa Nacional, tendo sido agora incorporados numa edição fac-símile que se baseou na análise do artigo 13 constitucional, que estabelece que “a competência da guerra nos crimes e contravenções permanecerá ‘contra a ordem militar’.”

O acampamento militar “Heróis de Chapultepec” também contou com a presença de membros do Conselho Judicial, juízes e diretores do Poder Judiciário do Estado do México, que testemunharam o desfile de honra do qual participaram 1.200 cadetes de infantaria, artilharia e blindados.

comentários

comentários