Quatro membros do corpo docente do El Colegio Mexiqueense recebem reconhecimento em 2023 em teleconferência do SNI



O geógrafo Carlos Felix Jarocho Rangel, a socióloga Luz María Salazar Cruz e as historiadoras Carolina Eveth Aguilar García e Dulce Regina Tapia Chavez, docentes do Colégio Mexicano, estão nos resultados da convocatória para reconhecimento no Sistema Nacional de Acadêmicos (SNI) 2023 , anunciada pelo Conselho Nacional de Humanidades, Ciência e Tecnologia (Conahcyt).

Carlos Jarocho Rangel, Luz María Salazar Cruz, Carolina Eveth Aguilar García e Dulce Regina Tapia Chavez, na lista publicada pela Conahsett (Foto: Exclusiva).

Em nome da comunidade institucional, José Antonio Álvarez Lobato, Secretário-Geral e responsável pelo Gabinete da Presidência, felicitou os que receberam esta homenagem, fruto do seu trabalho nas áreas em que se especializam e nas quais se dedicam. tem contribuido. Eles são avaliados periodicamente no SNI e ganham a valorização intelectual de seus pares.

Por um lado, o Dr. Carlos Felix Jarocho Rangel permanece no terceiro nível do Instituto Nacional de Inteligência – o nível mais alto – e é professor e pesquisador em tempo integral, integrante do Simpósio de Estudos Estratégicos do Estado do México, e liderando um projeto Integra E a estação regional de inteligência CristalizadorÉ diretor da revista científica Economia, sociedade e território Atua em diversos temas relacionados ao espaço intermunicipal com base nas ciências sociais espacialmente integradas; É considerado uma referência neste assunto amplo e complexo.

A Dra. Luz María Salazar Cruz foi promovida ao segundo nível do SNI. Ela também é professora e pesquisadora em tempo integral. Faz parte do Simpósio População, Cultura e Sociedade. É amplamente reconhecida por seu trabalho sobre pressão e questões importantes que assolam o país, como deslocamento forçado, violência e feminicídio. Seu último livro é Entre a norma e a realidade. Violência e assassinato de mulheres no estado do México.

A Dra. Carolina Eveth Aguilar García foi promovida ao primeiro nível. Ela também é professora pesquisadora em tempo integral, participa do seminário sobre a história das instituições do vice-reinado, e é um exemplo das novas gerações de estudiosos que enriqueceram o trabalho do El Colegio Mexiqueense, especializada em justiça eclesiástica no período colonial.

A Dra. Dulce Regina Tapia Chávez, professora associada e pesquisadora por projeto, ainda de primeiro nível, coordena o Mestrado em História do El Colegio Mexiqueense, possui diversas publicações e é pesquisadora do século XIX e do período revolucionário.

José Antonio Álvarez Lobato afirmou que o reconhecimento do SNI confirma a elevada qualidade intelectual do corpo docente do El Colegio Mexiquense e destacou que mais de 90% dos professores e investigadores a tempo inteiro fazem parte do sistema, mas em conjunto e a nível individual , cada indivíduo que compõe a comunidade acadêmica gera conhecimento Socialmente benéfico a partir de uma instituição fundada há 37 anos, que está a serviço do Estado do México e do país.

comentários

comentários