free web hit counter

Supostos membros do Hamas presos na Alemanha que tinham planos específicos para atacar alvos judeus | internacional

Terrorista do Hamas
Um carro da polícia em Berlim, numa operação não relacionada com a prisão de supostos membros do Hamas.Sven Kjöller (AFP)

A prisão de quatro homens, supostamente membros da milícia palestiniana Hamas, permitiu frustrar o ataque às instituições judaicas que planeavam em solo alemão. Vários meios de comunicação alemães relataram que três das prisões ocorreram em Berlim. A polícia também revistou cinco apartamentos e um restaurante na cidade, segundo a emissora pública ARD. Se as suspeitas se confirmarem, esta será a primeira tentativa de ataque do Hamas em solo europeu.

Os detidos respondem pelos nomes Abdul Hamid Al A, Muhammad B e Ibrahim Al R. Um quarto alegado membro da organização, Nazir R., de 57 anos, foi detido simultaneamente em Roterdão (Holanda) ao abrigo de um mandado de detenção europeu emitido pelo Ministério Público alemão. O Ministério Público afirmou em comunicado que este será transferido e colocado à disposição de um tribunal alemão.

Os quatro homens pertencem ao Hamas há anos, segundo a Procuradoria-Geral da República, e estiveram envolvidos nas operações da organização no estrangeiro. O comunicado acrescenta que os quatro estão intimamente ligados aos líderes das Brigadas Al-Qassam, o braço armado do movimento Hamas.

Os serviços de inteligência dinamarqueses também relataram mais detenções naquele país, que parecem estar ligadas a detenções anteriores, embora os detalhes da operação ainda não sejam conhecidos. A polícia dinamarquesa apenas anunciou a detenção de três homens no âmbito de uma operação antiterrorismo, sem especificar a organização a que pertencem. Tal como na Alemanha, ocorreram buscas e foi necessária a evacuação da estação ferroviária de Aarhus, segunda maior cidade do país, durante a operação policial. Os serviços de inteligência dinamarqueses confirmam que não existe “ligação direta” entre as detenções ocorridas em território dinamarquês e as ocorridas na Alemanha e nos Países Baixos, como confirmaram ao Canal 2 TV. Por seu lado, o gabinete do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, confirmou e confirmou na rede social X que os detidos na Dinamarca pertencem ao Hamas.

De acordo com informações fornecidas pelo Ministério Público alemão, Abdel Hamid Al A, nascido no Líbano, foi responsável, em nome do Hamas, pela localização e manutenção de um depósito secreto de armas em solo europeu, pelo menos desde a Primavera passada. Ele estava recebendo instruções da organização através de seus líderes no Líbano. As armas tiveram de ser transportadas para perto de Berlim e mantidas em excelentes condições, em antecipação a possíveis ataques contra instituições judaicas na Europa. Três dos detidos viajaram várias vezes a Berlim em Outubro para transportar armas.

“Temos os islamitas na nossa mira. Proteger os judeus é a nossa principal prioridade. Estamos a usar todos os meios constitucionais contra aqueles que ameaçam as vidas dos judeus e a existência do Estado de Israel”, disse a ministra do Interior alemã, Nancy Weisser, num comunicado. depois de ouvir a notícia. Além de agradecer à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República, pelo seu trabalho, agradeceu “à polícia holandesa pela estreita cooperação e pela prisão em Rotterdam”.

Cadastre-se no EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

Participar

“Gostaria de agradecer a todos os participantes que, através desta investigação bem-sucedida, contribuíram para garantir que os judeus europeus possam continuar a viver em segurança e paz”, declarou o Ministro Federal da Justiça, Marco Buschmann.

Acompanhe todas as informações internacionais sobre Facebook E éou em Nosso boletim informativo semanal.

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

_